O Corvo

O Corvo (Primavera De Oliveira)

A literatura atravessa o tempo, corta a carne e o pensamento latente. The Raven –  O corvo de Edgar Allan Poe, perdura no tempo e me assombra nas noites frias e escuras.   Talvez, devido aos meus demônios pessoais e a solidão acompanhando meus momentos. O corvo e tantas outras aves amaldiçoadas acompanhando nossos dias. Então, espero que gostem da leitura do meu corvo pessoal e sombrio. 

O corvo

O Corvo na espreita janela dentro do vento que assombra os aposentos, murmurei falsamente! E na janela o frio de dezembro em brasas navegantes.  Eliel e nunca mais! Sobre a soleira espiando sobre a noite em névoas espessas, Eliel e nunca mais!

Eliel e os anjos, sua lembrança atormenta meus sonhos no fumegar das noites evidentes, nunca mais, diria no início da madrugada, o milharal se debatendo contra o vento. O Corvo presencia o precipício do tormento. Nunca mais! O vento. A cantiga da noite. O clarão da madrugada sombria. O ruído do vazio e nele o grito da noite em nuvens fumegantes, sobre o despontar da lua, lampejos e nunca mais.

E agora nessa hora, bate-me a porta nesse gorgolejo em espesso sombrio dos umbrais. Eliel, e nunca mais! Apenas o esguio do infinito e nada mais. Eliel, e os céus fumegantes esguiam um grito, e nunca mais!

E como no final da última nota, o tilintar do ruído diminuindo e fluindo na sombria noite, meu coração lampeja num sustenido, e agora e nunca mais.

O martelo trabalhando na noite névoa e silenciosa, murmurando batidas e nada mais.

A negritude do vazio e sobre a janela o corvo junto com o vento uivando lá fora. Em sua negritude e insolência da noite escura e em penumbras, apenas me disse: “nunca mais”.

E diante de tamanha noite sombria e apavorante da espreita janela sorriu-me a face densa e sufocante. E ainda sussurrando um som maldito e nada mais. E o Corvo ainda robusto e rígido diante dos umbrais da noite escura disseste teu nome e novamente o Corvo me disse: “ e nunca mais”.

E o corvo agourento e a cabeça inerte, então, o que trazeis dos umbrais infernais? E ele apenas disse: “não agora”. E grasnou rouco e sombrio me lembrando Eliel, e nunca mais.

Riste e inerte no robusto arcabouço a ave funesta e pálida emergia seu canto e nada mais.

Ave infeliz, agourenta, sombria e abismal, diz-me o que trazes dos umbrais? Desaparece ave sinistra e funesta. Deixei por hora nesse silêncio escuro! E o Corvo disse: “Não agora.” (Primavera De Oliveira)

A página agora possui uma chave Pix para que você possa colaborar com qualquer valor! Anote a chave e contribua para mantermos novas histórias. Chave: catiacatia178@gmail.com

Publicidade

5 comentários

  1. Lagarto Coxo disse:

    Primavera, respeitável releitura do Corvo, gostei por demais… ! Abraço!

    Primavera
    De teu corvo digo
    eu só eu
    na solidão de meu umbigo
    Eliel nas nuvens

    De lá, ele
    só ele sente
    essa dor infinita
    dor do Ausente
    Corvo a tordo
    ardo feito
    — Primavera —
    eis por que
    nunca mais.

    – – – – – – – –

    Tomo a liberdade de enviar (link) uma música, que bem pode não ser de seu gosto (conquanto espere que seja….), e que traz citação torta e boa sobre “O Corvo”

    Curtido por 2 pessoas

    1. Serena De Primavera disse:

      “usar o sofrimento para poder flutuar”. Caramba. Obrigada.

      Curtido por 2 pessoas

      1. Lagarto Coxo disse:

        Orfeão de rãs, solfeja a lagoa / … / e vem o corvo do Alan Poe …

        A passagem que destacou, linda, mesmo!

        Abraço! Siga em frente. Você é muito talentosa, acho eu!

        Curtido por 2 pessoas

  2. Priti disse:

    Al last the crow said “,not now “beautifully written! Loved to read it! 👌👌

    Curtido por 2 pessoas

  3. Serena De Primavera disse:

    Thanks for reading.

    Curtido por 1 pessoa

Comentários encerrados.